Início / Blog / Atualidades / Como aprender economia para vestibulares e Enem

Como aprender economia para vestibulares e Enem

Responsive Image

O que você sabe sobre economia? Este assunto é muito importante para o Enem e o vestibular porque aborda atualidades e questões sociais, um tema recorrente nesse tipo de prova. No ensino médio, é comum estudar sobre isso nas disciplinas de Geografia e História. Mas como aprender economia para os vestibulares, já que é um assunto tão amplo? Existem alguns tópicos que vale a pena se atentar, pois são os que mais caem nos exames. 
 
Para ajudar você a se preparar da melhor maneira possível, preparamos este artigo com informações que podem ajudar no seu estudo. Continue a leitura e confira!
 

Como aprender economia

 
O primeiro passo é definir qual campo da economia você quer aprender. Em seguida, pesquisar sobre o assunto, ler sobre o tema e realizar exercícios. A melhor maneira de aprender alguma coisa é colocar em prática o que você está estudando. Por isso, encontre provas dos últimos anos do Enem e dos vestibulares de maior interesse e faça os exercícios, identifique questões que exigem o conhecimento em economia e dedique-se a estudar sobre eles. Também é muito importante realizar simulados. 
 
Neste artigo, vamos falar especificamente sobre um tópico importante da economia que é muito recorrentes nos vestibulares, a Geografia Econômica. 
 

O que é Geografia Econômica?

 
A Geografia Econômica estuda as atividades econômicas da sociedade, os fatores que colaboram com o desenvolvimento de um tipo de economia em determinada região, as influências da produção no espaço e na sociedade. 
 
Quando analisamos a economia, fica mais fácil entender o processo de globalização e as estruturas sociais estabelecidas no campo ou na cidade, além de explicar os sistemas econômicos estabelecidos nos países, como o socialismo e o capitalismo. 
 

Setores Econômicos

 
Um dos assuntos da Geografia Econômica que mais cai no vestibular são os setores econômicos. É uma área que estuda as atividades e setores de trabalho que existem na sociedade em determinadas regiões. Em outras palavras, eles determinam como a População Economicamente Ativa (PEA), ou seja, a população que exerce alguma atividade econômica, está distribuída em um país.
 

Setor primário

 
O setor primário envolve as atividades da agricultura, pecuária e extrativismo, três áreas muito fortes no Brasil. Vale a pena citar que existem três tipos de extrativismo: o animal (por exemplo, a pesca), o vegetal (como o extrativismo de palmito) e o mineral (podemos citar a exportação de minério de ferro, por exemplo).
 
Os produtos gerados pelo setor primário têm um baixo valor agregado. Eles são os famosos commodities, ou seja, a matéria prima, aquela mercadoria que ainda não passou por nenhum tipo de industrialização. Por isso, um país muito forte somente no setor primário costuma ter uma balança comercial desfavorável, pois são produtos muito baratos.
 
Apesar do Brasil ser forte setor primário, não podemos dizer que a maior parte da população economicamente ativa está concentrada nele. Existe uma grande mecanização hoje na agricultura. Com o aumento do uso de máquinas, houve uma redução na necessidade de trabalho braçal. 
 

Setor secundário

 
No setor secundário temos as fábricas e indústrias, que realizam o processo de transformação da matéria prima, tornando-a uma mercadoria. É uma área que gera mais lucro. Temos como exemplo a produção e confecção de joias, industrialização de alimentos, produção de carros, confecção de roupas. 
 
Podemos dividir o setor secundário em três tipos de indústrias, confira abaixo.
 
Indústria de base: transforma a matéria prima bruta em matéria prima para outras indústrias. Exemplos: indústrias siderúrgicas, de mineração, química e petroquímica.
 
Indústria de bens de capital ou intermediárias: produzem máquinas e equipamentos para equipar outras indústrias. Exemplos: ferramentas, esteiras, braços mecânicos e guindastes.
 
Indústria de bens de consumo: transformam matéria prima em produtos direcionados ao consumidor final. Exemplos: eletrodomésticos, alimentos, vestuário e automóveis.
 
Quando fazemos uma análise histórica desse setor, voltamos à primeira revolução industrial, quando a Inglaterra percebe que o lucro poderia ser muito maior se ela agregasse valor, ou seja, se transformasse a matéria prima em mercadoria. Esse pensamento ocasionou na formação do setor secundário.
 
No Brasil, este é o segundo setor e termo de empregabilidade, e muito importante para a economia do país. No entanto, ainda temos muitas indústrias que não são brasileiras, mas são estrangeiras que atuam em terreno nacional. Concluímos, então, que o lucro que advém dessa transformação volta para o país de origem e uma parte muito baixa fica no Brasil. 
 

Setor terciário

 
O setor terciário engloba os comércios e serviços. A maior parte das pessoas que trabalha no Brasil atua no setor terciário, em especial no setor de serviços. Nele estão professores, advogados e profissionais liberais em geral. Encontramos esse tipo de atividade principalmente nas áreas urbanas. É por isso que a maior parte da população brasileira mora em cidades.
 
Agora você já sabe como aprender economia, em quais pontos vale a pena focar nos seus estudos e qual é a importância do tema para o Enem e o vestibular. Se quiser saber mais, acesse o Blog do Hexag Medicina e confira nossos artigos. 

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do Hexag.

Compartilhe

Sobre o autor

user

Comentários

Responsive Image

Bitnami