Início / Blog / Química / Deu preto na prata

Deu preto na prata

Responsive Image

Os talheres de prata, ornamentos de nossas mesas, têm um grande inconveniente: ficam escuros.

Em contato com o ovo, seu brilho parece irremediavelmente perdido!

Se lavarmos os talhares de prata numa bacia que contém outros objetos metálicos menos nobres, eles escurecem como se sua nobreza não suportasse o contato com a plebe.

E agora, como recuperá-los?!

Uma primeira possibilidade é a utilização de água oxigenada (solução aquosa de peróxido de hidrogênio- H2O¬2). De fato, a prata só fica preta por que está oxidada, geralmente por causa do enxofre abundante nos ovos, o enxofre se liga à prata num composto insolúvel de sulfeto de prata (Ag2S). A água oxigenada prossegue a oxidação, transformando o sulfeto insolúvel num sulfato de prata solúvel. Mas atenção, esta receita é reservada a talheres de prata pura!

Uma segunda possibilidade, um pouco mais complicada, é eficiente para talheres banhados a prata: por eletrólise, dissocia-se o enxofre da prata.

Na prática, recobre-se o fundo de uma caixa de plástico com uma folha de papel alumínio, acrescenta-se água quente e uma colher de sopa de sal de cozinha, depois, depositam-se os objetos enegrecidos de tal maneira que fiquem em contato com o alumínio. Graças à solução (NaCl + H2O), pelo alumínio e pela prata, ocorre a seguinte reação química:

O alumínio perde elétrons (oxidação), que vão para o sulfeto de prata. Na superfície dos talheres, a prata comprometida numa ligação com o enxofre capta esses elétrons (redução), retomando a forma de metal, ao passo que o enxofre é liberado na solução, migra para o alumínio e forma um sulfeto de alumínio.

Mas professor, isso só serve para talheres de prata pura ou banhados a prata?

Não! Também serve para joias de prata pura ou então aquelas banhadas a prata.

Os artigos assinados são de responsabilidade dos autores e não refletem necessariamente a opinião do Hexag.

Compartilhe

Sobre o autor

JAlves

J Alves é professor de Química no Hexag Vestibulares.

Comentários

Responsive Image